quarta-feira, 26 de junho de 2013

DLR n.º 21/2013/M

Encontra-se publicado o Decreto Legislativo Regional n.º 21/2013/M, que aprova o Estatuto do Aluno e Ética Escolar da Região Autónoma da Madeira (AQUI )
O Estatuto aplica-se aos alunos dos ensinos básico e secundário da educação escolar da Região Autónoma da Madeira.
Revoga o Estatuto do Aluno dos Ensinos Básico e Secundário, aprovado pelo Decreto Legislativo Regional n.º 26/2006/M, de 4 de julho.

Como DIREITO dos alunos: 
Artigo 7, alínea i) “Beneficiar de outros apoios específicos, adequados às suas necessidades escolares ou à sua aprendizagem, através dos serviços de psicologia e orientação ou de outros serviços especializados de apoio educativo"

PAPEL PESSOAL NÃO DOCENTE
Artigo 48º "Aos técnicos de serviços de psicologia e orientação escolar e profissional, integrados ou não em equipas, incumbe ainda o papel especial de colaborar na identificação e prevenção de situações problemáticas de alunos e fenómenos de violência, na elaboração de planos de acompanhamento para estes, envolvendo a comunidade educativa."

quinta-feira, 20 de junho de 2013

Jogo Virtual "A Igualdade está em Jogo!"



No âmbito do Projecto big~Ei - Bibliotecas pela Igualdade de Género ~ Escola da Igualdade - previa a criação de um jogo virtual de desconstrução de estereótipos de género a ser utilizado em escolas, associações culturais, bibliotecas municipais e pela comunidade em geral. O Jogo Virtual "A Igualdade está em Jogo!" é composto por cinco categoriais de pergunta e resposta.
Para além de se acertar nas respostas ainda fornece informação adicional sobre diferentes temas:
  • violência de género
  • mulheres e ciência
  • arte e literatura
  • desconstrução de Estereótipos de Género
  • História das Mulheres e Movimentos Feministas.
Este jogo, com uma vertente lúdico-pedagógico pretende dar a conhecer, consciencializar, despertar o interesse e promover a igualdade de género.

EUROGUIDANCE Portugal



A EUROGUIDANCE Portugal integra a rede europeia Euroguidance que opera no âmbito do Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida.

OBJETIVOS:
• Produzir materiais formativos e informativos (ver recursos para profissionais aqui )
• Divulgar informação sobre oportunidades educativas e formativas, níveis de qualificação e certificação e percursos académicos e profissionais, a nível nacional e europeu;
• Responder a questões no âmbito dos recursos de orientação e da mobilidade transnacional;
• Informar sobre políticas e recursos europeus no âmbito da orientação ao longo da vida.

PÚBLICO - ALVO
Dirige-se a profissionais de orientação, alunos, encarregados de educação e público em geral.

Site da EUROGUIDANCE Portugal : http://www.euroguidance.gov.pt/

quarta-feira, 19 de junho de 2013

Portaria n.º 205/2013

Portaria n.º 205/2013. D.R. n.º 116, Série I de 2013-06-19, da Presidência do Conselho de Ministros que aprova o Regulamento do Programa de Ocupação de Tempos Livres (OTL), (AQUI)

Portaria n.º 204-B/2013

Portaria n.º 204-B/2013. D.R. n.º 115, 2.º Suplemento, Série I de 2013-06-18, do Ministério da Economia e do Emprego que cria a medida Estágios Emprego, designada por MEDIDA (AQUI).

sexta-feira, 14 de junho de 2013

CHINA - Reconhecimento de Graus Académicos

Decreto n.º 10/2013. D.R. n.º 113, Série I de 2013-06-14, do Ministério dos Negócios Estrangeiros que aprova o Acordo entre a República Portuguesa e a República Popular da China sobre o Reconhecimento de Graus Académicos e Períodos de Estudo de Ensino Superior, assinado a 12 de janeiro de 2005, em Pequim, aqui

quarta-feira, 12 de junho de 2013

Guia Separação do casal



(AQUI) ou (AQUI )

Guia Separação do casalGuia para enfrentá-la sem prejudicar os filhos
Autor: José Manuel Aguilar Cuenco - Psicólogo
Março 2012

terça-feira, 11 de junho de 2013

Igualdade Parental

Mary Cassat Baby First Caress

No site http://igualdadeparental.org/ ( Igualdade Parental  - Associação Portuguesa para os Direitos dos Filhos - ) encontra muito material de apoio relativo a esta tematica (separação do casal, guarda das crianças...)

segunda-feira, 10 de junho de 2013

Manual - Promoção da resiliência na adolescência



Ultrapassar adversidades e vencer desafios: Manual de Promoção da resiliência na adolescência (em aventura social.com ) ou AQUI
Equipa do Projeto Aventura Social - Faculdade de Motricidade Humana

Guia de Boas Práticas - IST/VIH/Sida



Guia de Boas Práticas - Para Informar, Educar e Comunicar com E!cácia e de Forma Adequada para a Prevenção e Controlo das IST/VIH/Sida (em  aventura social.com ) ou AQUI
Autor - Maria Teresa Silva Santos
Ano 2011

sábado, 8 de junho de 2013

Mentor-Emprende



Como criar um restaurante ou aprender a captar ajudas públicas são algumas das pesquisas que se podem fazer no novo motor de busca “Mentor-Emprende”, uma espécie de “Google” do empreendedorismo, que a Universidade do Porto ajudou a desenvolver.
O “Mentor-Emprende” é um motor de busca especializado em conteúdos relacionados com "empreendedorismo e criação de empresas" e destina-se a estudantes, mas também a quem esteja a pensar criar o seu próprio negócio, explica a Universidade do Porto (UP), em comunicado de imprensa.
O motor de busca, uma espécie de “Google” do empreendedorismo que especialistas em empreendedorismo da UP ajudaram a desenvolver, está agora disponível em língua portuguesa, mas também em língua espanhola e inglesa. A iniciativa tem o objectivo de auxiliar os utilizadores a encontrar, de uma forma fácil e sistematizada, conteúdos de empreendedorismo.
Com o motor de busca, as dificuldades diminuem para aquelas pessoas sem formação na área da inovação, mas que pretendem ser empreendedoras.
O motor de busca é de acesso gratuito, está disponível na página da Internet da RedEmprendia e reúne diversas universidades ibero-americanas, que promovem o conhecimento, inovação e empreendedorismo. A UP é uma das duas universidades portuguesas que colaboraram na implementação deste motor de busca, mas a estrutura foi criada por especialistas da Universidade de Santiago Compostela.

Fonte: Publico
“Mentor-Emprende":

quarta-feira, 5 de junho de 2013

Violência no namoro (2)


Tratar mal os namorados é "normal" para os jovens - artigo do DN (retirado de   criancas a torto e adireitos. )
Uma investigação da psicóloga Cecília Loureiro


Os jovens consideram que é "normal" tratar mal os namorados, conclui um inquérito a 885 rapazes e raparigas, entre os 11 e os 18 anos, para quem humilhar, chamar nomes e dar ordens no namoro é legítimo, escreve esta terça-feira o Diário de Notícias (DN).

Um inquérito sobre violência no namoro a 885 rapazes e raparigas, com idades entre os 11 e os 18 anos, mostra que humilhar, chamar nomes, dar ordens, decidir que roupa vestem e vasculhar os telemóveis dos namorados, por exemplo, são comportamentos considerados "normais" e não violentos pelos jovens.
O estudo mostra, por exemplo, que 16% dos rapazes inquiridos acha que é normal ameaçar a namorada, e 29% diz que não é um comportamento violento obrigar a namorada a fazer coisas que não quer. O inquérito também mostra que 22% das raparigas diz que chamar nomes ao namorado não é ser violento.
Em declarações ao DN, a psicóloga Cecília Loureiro afirma que “negativo e surpreendente é a repetição do modelo agressivo dos homens por parte das raparigas”, e a banalização da violência é evidente em casos como as “agressoras do Facebook”, as duas jovens que foram filmadas a agredir uma menina.
A psicóloga mostra-se também “surpreendida” pela “facilidade com que rapazes e raparigas assumem como normais comportamentos que são violentes no namoro”. E Cecília Meireles revela que teve mesmo contacto com testemunhos chocantes. “Entre as 437 raparigas inquiridas houve sete delas que nos admitiram a título pessoal, que já tinham sido espancadas”, frisou ao DN. 21.5.13



segunda-feira, 3 de junho de 2013

A biblioteca apresenta-se


A biblioteca apresenta-se ( http://www.rbe.min-edu.pt/np4/771.html  ) constitui uma rubrica de vídeos, elaborados pelas escolas, com o objetivo de divulgar as suas bibliotecas e o que de melhor se faz no âmbito da sua atividade.
A difusão destes materiais, pelo som e pela imagem, constitui mais uma via para promover o conhecimento das bibliotecas escolares que integram a RBE e dar visibilidade às suas boas práticas.
Os trabalhos podem cobrir inúmeros aspetos, desde a mostra de bons exemplos e soluções sobre os espaços e funcionalidades das bibliotecas, à organização de novos serviços e recursos ou à ilustração de atividades pedagógicas e formativas de interesse, com impacto nos alunos e na comunidade.